NO GONZAGA, INTERVENÇÕES CULTURAIS E MARCHA PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Por Cidinha Santos

Reblogado de: revistarelevo.wordpress.com

a112

Diversas atividades culturais acontecem na concentração com o objetivo de denunciar a cultura do estupro, a violência sexista e a política de destruição da Previdência Social. No dia 8 de março, a partir das 16h30, na Estação da Cidadania (Av. Ana Costa, 340/Santos), seguida de marcha até a Praça da Independência. A Marcha pelo fim da Violência Contra a Mulher e contra o desmonte da Previdência é organizada por diversos coletivos de Mulheres da Baixada Santista.

A ideia é chamar as mulheres a refletirem sobre a situação de o Brasil ter se transformado num campo de guerra, pois uma de nós é assassinada a cada hora e meia por causa da violência machista. O Brasil é um dos países onde mais matam mulheres e o que mais mata pessoas transexuais. Entre os casos de violência doméstica, grande parte presenciada pelos filhos que, na maioria dos casos, também são vítimas. Para a mulher negra a violência é ainda mais bruta. Os assassinatos aumentaram 64 %, no ano de 2016, em consequência do racismo instalado na sociedade. Anualmente, acontecem 50 mil estupros e a maioria ocorre dentro de casa e é praticado por um conhecido da vítima.

Para a professora e cientista social Dida Dias, são as mulheres trabalhadoras as mais atingidas com o desmonte da Previdência Social, uma vez que, na proposta atual de reforma, cada mulher precisará contribuir por 49 anos e ter 65 anos de idade para ter direito à aposentadoria. Este aumento na idade desconsidera o trabalho doméstico que soma cinco horas a mais, por semana, que continua sob a responsabilidade das mulheres. Como a expectativa de vida das mulheres, em muitas regiões brasileiras, é menor que 65 anos a alteração na legislação significa que muitas de nós morrerão antes da aposentadoria.

A programação regional é composta por: Coletivo de Mulheres Bancárias; Maria Vai com as Outras; Movimento Mulheres em Luta; Ecoa Preta; Setorial de Mulheres Fortalecer do PSOL: Setorial de Mulheres Liberdade, Socialismo e Revolução (LSR), do PSOL; Setorial de Mulheres do PSOL Guarujá; Secretaria de Mulheres do PT; Associação José Marti; Setorial de Mulheres da Intersindical; Pão e Rosas, Marcha das Vadias; Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro e Baque Mulher.

Em nível internacional

Angela Davis e Nancy Fraser, militantes históricas do movimento social, convocam mulheres de todo o mundo para uma greve geral no dia 8 de março. A motivação surgiu após marcha realizada durante a posse do presidente norte-americano Donald Trump. Na ocasião, milhares de mulheres de vários países, inclusive o Brasil, se manifestaram contra a política de exclusão prometida pelo novo governo. O grupo de ativistas feministas considera que a luta contra a violência masculina e a defesa dos direitos reprodutivos é cada vez mais atual, conforme manifesto publicado no jornal The Guardian. O texto defende ainda que está em curso uma nova onda militante em defesa da igualdade de gêneros. Saiba mais aqui.

Anúncios

Não seja tímido, deixe um cometário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s